segunda-feira, 30 de julho de 2012

O que os prefeitos candidatos a reeleição não podem fazer em ano eleitoral

Há inúmeras regras do que deve ou não fazer um candidato a prefeito. Mas, há ainda mais normas para aqueles que buscam a reeleição, ou seja, quem já está no cargo. Algumas práticas comuns em outros anos ficam proibidas pela Lei das Eleições (Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997) em ano eleitoral. Oito situações ficam vedadas aos agentes públicos em campanhas eleitorais.
O que o prefeito não pode:
– Ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios, ressalvada a realização de Convenção partidária.
– Usar materiais ou serviços, custeados pelos governos ou Legislativos, que excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos e normas dos órgãos que integram.
– Ceder servidor público ou empregado da administração direta ou indireta federal, estadual ou municipal do poder Executivo, ou usar de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado.
– Fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo poder público.
– Nomear, contratar, admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional. E, ainda, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, nos três meses que o antecedem e até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados.
– Nos três meses que antecedem o pleito, não pode: realizar transferência voluntária de recursos da União aos Estados e municípios, e dos Estados aos municípios, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou serviço em andamento e destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública; autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral; fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo;
– Realizar, antes do prazo fixado no inciso anterior, despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição.
– Fazer, na circunscrição do pleito, revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição, a partir do início do prazo estabelecido no artigo 7º da lei e até a posse dos eleitos.
Fonte: Tribunal Superior Eleitoral

domingo, 29 de julho de 2012

Vice prefeito(a) peça fundamental que não deve ser ignorada...





No momento em que todos os municípios brasileiros se preparam para escolher seus representantes no Executivo (Prefeitura) e Legislativo (Câmara de Vereadores), surge a necessidade de se discutir a importância de uma peça quase sempre ignorada pelos eleitores, levados (talvez?) pela paixão a um, ou outro candidato e suas promessas fantasiosas: o vice-mandatário – no caso das eleições municipais deste ano, o (a) vice-prefeito (a).

Como coadjuvante, o vice-mandatário passa despercebido durante a campanha eleitoral, como mera peça para ocupar um  espaço vazio – e necessário – na chapa a ser apresentada aos eleitores. Passado o pleito, dependendo de como segue o mandato, o vice-mandatário ganhará, ou não, importância fundamental para o futuro do Município, Estado, ou Nação.
Nas eleições deste ano, além do candidato a prefeito, o eleitor precisa também avaliar profundamente a vida e a ficha corrida na Justiça do (a) candidato (a) a vice-prefeito (a). Dizem que um raio não cai no mesmo lugar duas vezes seguidas, mas dá para confiar na crendice popular?
Texto: WIRISMAR RAMOS

Nota do Blog: 

Em Poços de Caldas são 6 candidatos a Prefeito e e agora iremos apresentar o vice de cada um.

 Geraldo Thadeu
 Tem como vice:
Álvaro Cagnani
  Candidato a vice prefeito pelo partido PSDB, tem 64 anos, é formado em administração de empresas e está em seu quinto mandato como vereador.


Eloisio Lorenço
Tem como vice: 
Nizar El-khatib
 Candidato a vice prefeito pelo partido PT, ele é Empresário, natural de Araçatuba,nasceu em 14 de Julho de 1949.
 
Paulo César Filho
Tem como vice:


Waldemar Lemes Filho
 Candidato a vice pelo partido PMDB. Ele tem 56 anos e ocupa pela quinta vez, uma cadeira no legislativo.
 

                                                                                              Marcus Togni
Tem como vice:
José Noel Terra
 Candidato a vice prefeito pelo partido PTN- Ele é advogado, reside em Poços de Caldas há 10 anos e na década de 1990 foi subprefeito da cidade de Campinas (SP).
   Rovilson de Lima
Tem como  vice: 


Patrícia Moreira

39 anos. Advogada, ela nunca ocupou um cargo eletivo.

 

sábado, 28 de julho de 2012

Perfil dos candidatos a Prefeito e Vice de Poços de Caldas

Eloísio do Carmo Lourenço (PT) – O candidato de 44 anos é novato na política. Ele atua como dentista em Poços de Caldas, mas já foi presidente do Conselho Municipal de Saúde. O candidato a vice é o empresário Nizar El Katib, também do PT. Com 66 anos, nunca concorreu a nenhum cargo eletivo. O PT coligou-se ao Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB).

Geraldo Thadeu (PSD) – O candidato tem 66 anos, é deputado federal e já administrou Poços de Caldas entre 1997 e 2000. A coligação que apoia a candidatura reúne oito legendas, entre elas o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que lança como candidato a vice o vereador Álvaro Cagnani, que tem 64 anos, é formado em administração de empresas e está em seu quinto mandato como vereador.

Marcus Togni (PSB) – O candidato de 59 anos é vereador e está no sétimo mandato na Câmara Municipal de Poços de Caldas. Ele já foi também secretário de Turismo e secretário de Desenvolvimento Econômico e Trabalho. O candidato a vice é José Noel Terra (PTN), de 63 anos. Ele é advogado, reside em Poços de Caldas há 10 anos e na década de 1990 foi subprefeito da cidade de Campinas (SP).


 Paulo César Silva (PPS) – O candidato é formado em administração de empresas, 53 anos, já foi vereador e vice-prefeito da cidade. O candidato a vice é o atual presidente da Câmara Municipal é Waldemar Lemes Filho, do PMDB. Ele tem 56 anos e ocupa, pela quinta vez, uma cadeira no legislativo.


Rovilson de Lima (PMN) – O candidato de 45 anos já foi vereador da cidade por três mandatos, sendo que o último foi entre 1997 e 2000. A coligação com o Partido Social Liberal (PSL) tem como candidata a vice, Patrícia Moreira, de 39 anos. Advogada, ela nunca ocupou um cargo eletivo.



Fonte: http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas









Vacinação anti-rábica em Poços de Caldas, esse ano tem !





Terá vacinação também no dia do cão... confira:

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Necessidade de mudanças da Lei que criou CCZ- Poços de Caldas

Reprodução: Jornal da Cidade de 26/07/2012

Lei Complementar 58/05 | Lei Complementar nº 58 de 27 de outubro de 2005 de Pocos de Caldas


DISPÕE SOBRE O CONTROLE DE ZOONOSES NO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS, CRIA O CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES - CCZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.
Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte lei complementar:
CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º O desenvolvimento de ações objetivando o controle das populações animais, bem como a prevenção e o controle das zoonoses no Município de Poços de Caldas, passam a ser regulados por esta lei e seu regulamento.
Art. 2º Para efeito do disposto no art. 1º, fica criado junto à estrutura orgânica da Secretaria Municipal de Saúde, o Centro de Controle de Zoonoses - CCZ, órgão responsável, no âmbito municipal, pela execução das ações mencionadas nesta lei, com competência e atribuição específicas para desenvolver os serviços elencados nos Programas de Controle de Zoonoses, de Doenças Transmitidas por Vetores e de Agravos por Animais Peçonhentos.
Art. 3º Para efeito desta Lei, entende-se por:
I - ZOONOSES: infecção ou doença infecto-contagiosa ou parasitária, transmissível naturalmente entre animais vertebrados e o homem, e vice-versa;
II - AGENTE SANITÁRIO: Médico Veterinário do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), da Secretaria Municipal de Saúde;
III - ÓRGÃO SANITÁRIO RESPONSÁVEL: o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde, da Prefeitura do Município de Poços de Caldas;
IV - ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO: os de valor afetivo, passíveis de coabitar com o homem;
V - ANIMAIS DE USO ECONÔMICO: as espécies domésticas, criadas, utilizadas ou destinadas à produção econômica;
VI - ANIMAIS SINANTRÓPICOS: as espécies que, indesejavelmente, coabitam com o homem, tais como os roedores, as baratas, as moscas, os pernilongos, as pulgas e outros;
VII - ANIMAIS SOLTOS: todo e qualquer animal errante encontrado sem qualquer processo de contenção;
VIII - ANIMAIS APREENDIDOS: todo e qualquer animal capturado por servidores do Centro de Controle de Zoonoses, da Secretaria Municipal de Saúde, compreendendo desde o instante da captura, seu transporte, alojamento nas dependências dos depósitos municipais de animais e destinação final;
IX - DEPÓSITOS MUNICIPAIS DE ANIMAIS: as dependências apropriadas do Centro de Controle de Zoonoses, da Secretaria Municipal de Saúde, para alojamento e manutenção dos animais apreendidos;
X - CÃES MORDEDORES VICIOSOS: os causadores de mordeduras a pessoas ou outros animais, em logradouros públicos, de forma repetida;
XI - MAUS TRATOS: toda e qualquer ação voltada contra os animais que implique em crueldade, especialmente em ausência de alimentação mínima necessária, excesso de peso de carga, tortura, uso de animais feridos, submissão a experiências pseudeocientíficas e o que mais dispõe o Decreto Federal nº 24.645, de 10 de julho de 1934 (Lei de Proteção aos Animais);
XII - CONDIÇÕES INADEQUADAS: a manutenção de animais em contato direto ou indireto com outros animais portadores de doenças infecciosas ou zoonoses, ou ainda, em alojamentos de dimensões inapropriadas à sua espécie e porte;
XIII - ANIMAIS SILVESTRES: os pertencentes às espécies não domésticas;
XIV - FAUNA EXÓTICA: animais de espécies estrangeiras;
XV - ANIMAIS UNGULADOS: os mamíferos com os dedos revestidos de casco;
XVI - COLEÇÕES LÍQUIDAS: qualquer quantidade de água parada;
XVII - ADOÇÃO: aquisição de animal pelo Centro de Controle de Zoonones - CCZ ou por pessoas físicas, para mantê-los bem cuidados;
XVIII - DOAÇÃO: ato de ceder animal pertencente ao Centro de Controle de Zoonoses - CCZ a pessoas físicas ou jurídicas;
Art. 4º Constituem objetivos básicos das ações de prevenção e controle de zoonoses:
I - prevenir, reduzir e eliminar a morbidade e a mortalidade, bem como os sofrimentos humanos causados pelas zoonoses urbanas prevalentes;
II - preservar a saúde da população, mediante o emprego dos conhecimentos especializados e experiências da Saúde Pública Veterinária.
Art. 5º Constituem objetivos básicos das ações de controle de zoonoses das populações animais:
I - prevenir, reduzir e eliminar as causas de sofrimento aos animais;
II - preservar a saúde e o bem estar da população humana, evitando-lhe danos ou incômodos causados por animais;
III - criar, manter e atualizar um registro de identificação das populações animais do Município, nos termos do art. 6º desta lei.
Parágrafo Único - O desenvolvimento das ações do CCZ criado por esta lei será definido nos termos de regulamento próprio baixado por decreto.
CAPÍTULO II

DO REGISTRO E DA VACINAÇÃO DOS ANIMAIS

SEÇÃO I

DO REGISTRO DE ANIMAIS

Art. 6º Todos os cães, gatos e eqüídeos residentes no Município de Poços de Caldas deverão, obrigatoriamente, ser registrados no órgão municipal responsável pelo controle de zoonoses ou em estabelecimentos veterinários devidamente credenciados por esse mesmo órgão.
§ 1º Os proprietários de animais residentes no Município de Poços de Caldas deverão, obrigatoriamente, providenciar o registro destes no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias a partir da data de publicação da presente Lei.
§ 2º Após o nascimento, os cães, gatos e eqüídeos deverão ser registrados entre o terceiro e sexto mês de idade, recebendo, no ato do registro, a aplicação da vacina contra raiva.
Art. 7º Para o registro de cães, gatos e eqüídeos, serão necessários os seguintes documentos e sistema de identificação, fornecidos pelo CCZ aos estabelecimentos veterinários devidamente credenciados:
I - formulário timbrado para registro (em três vias), onde se fará constar, no mínimo, os seguintes campos: número do RGA, data do registro, nome do animal, sexo, raça, cor, idade real ou presumida, nome do proprietário, número da Carteira de Identidade (RG) e do Cadastro de Pessoa Física (CPF), endereço completo e telefone, data da aplicação da última vacinação obrigatória, nome do veterinário responsável pela vacinação e respectivo Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), e assinatura do proprietário;
II - RGA (Registro Geral do Animal): carteira timbrada e numerada, onde se fará constar, no mínimo, os seguintes campos: nome do animal, sexo, raça, cor, idade real ou presumida; nome do proprietário, RG e CPF, endereço completo, telefone e data da expedição;
III - identificação eletrônica usada para armazenar o número de identificação do animal.
Art. 8º A Carteira do Registro Geral do Animal - RGA deverá ficar de posse do proprietário, e cada animal residente no Município de Poços de Caldas deve possuir um único número de RGA.
Art. 9º Uma das vias do formulário timbrado destinado ao registro do animal deverá ficar arquivada no local onde foi realizado; uma será enviada ao CCZ, quando o procedimento for realizado por estabelecimento conveniado; e a terceira via, com o proprietário.
Art. 10 Para proceder ao registro, o proprietário deverá levar seu animal ao CCZ ou a um estabelecimento veterinário credenciado, apresentando a carteira ou o comprovante de vacinação devidamente atualizado.
Parágrafo Único - Se o proprietário não possuir comprovante de vacinação do animal contra raiva, a vacina deverá ser providenciada no ato do registro.
Art. 11 Quando houver transferência de propriedade de um animal, o novo proprietário deverá comparecer ao CCZ ou a um estabelecimento veterinário credenciado para proceder à atualização de todos os dados cadastrais.
Parágrafo Único - Enquanto não for realizada a atualização do cadastro a que se refere o caput deste artigo, o proprietário anterior permanecerá como responsável pelo animal.
Art. 12 No caso de perda ou extravio da carteira de RGA, o proprietário deverá solicitar diretamente ao CCZ a respectiva segunda via.
Parágrafo Único - O pedido de segunda via da carteira de RGA será feito em formulário padrão do CCZ e uma via deverá ficar de posse do proprietário do animal, servindo como documento de identificação pelo prazo de 60 dias até a emissão da segunda via da carteira.
Art. 13 Os estabelecimentos credenciados deverão enviar ao CCZ, mensalmente, as vias dos formulários de todos os registros efetuados nos últimos 30 (trinta) dias.
Art. 14 Em caso de óbito de animal registrado, cabe ao proprietário ou ao veterinário responsável, comunicar o fato ao CCZ.
Art. 15 A Prefeitura Municipal de Poços de Caldas estabelecerá, através de decreto, os respectivos preços públicos para:
I - identificação eletrônica, a ser pago pelos estabelecimentos veterinários credenciados no momento da retirada das carteiras de RGA e formulários timbrados;
II - fornecimento de segunda via da carteira de RGA.
§ 1º Os estabelecimentos veterinários credenciados deverão afixar em local visível ao público a tabela de preços de que trata o caput deste artigo.
§ 2º Os preços públicos a que se refere o inciso I deste artigo serão pagos pelo proprietário do animal quando procederem ao registro deste diretamente no CCZ ou aos estabelecimentos credenciados.
SEÇÃO II

DA VACINAÇÃO DOS ANIMAIS

Art. 16 Todo proprietário de animal é obrigado a vacinar seu cão, gato e eqüídeo contra a raiva, observando para a revacinação o período recomendado pelo laboratório responsável pela vacina utilizada.
Parágrafo Único - A vacinação de que trata o caput deste artigo poderá ser feita gratuitamente nas campanhas anuais promovidas pelo CCZ ou pelos estabelecimentos veterinários credenciados.
Art. 17 O comprovante de vacinação fornecido pelo CCZ como também a carteira emitida por médico veterinário particular poderão ser utilizados para comprovação da vacinação anual.
§ 1º Da carteira de vacinação fornecida pelo médico veterinário deverão constar as seguintes informações, obedecendo a Resolução nº 656, de 13 de setembro de 1999, do Conselho Federal de Medicina Veterinária:
I - identificação do proprietário: nome, RG e endereço completo;
II - identificação do animal: nome, espécie, raça, pelagem, sexo, data de nascimento ou idade;
III - dados das vacinas: nome, número da partida, fabricante, datas da fabricação e validade;
IV - dados da vacinação: datas de aplicação e revacinação;
V - identificação do estabelecimento: razão social ou nome fantasia, endereço completo, número de registro no CRMV;
VI - identificação do Médico Veterinário: carimbo constando nome completo, número de inscrição no CRMV e assinatura;
VII - número do RGA do animal, quando este já existir.
§ 2º O comprovante de vacinação fornecido pelo CCZ deve conter o número do RGA do animal, quando este já existir, bem como a identificação do Médico Veterinário responsável e seu respectivo número de inscrição no CRMV.
§ 3º Excepcionalmente, durante campanhas oficiais, o comprovante de vacinação poderá ser fornecido sem a identificação do Médico Veterinário responsável pela equipe, devendo conter, entretanto, o número do RGA do animal, quando este já existir.
§ 4º No momento da vacinação, os proprietários cujos animais ainda não tenham sido registrados deverão ser orientados a procederem ao registro.
CAPÍTULO III

DAS RESPONSABILIDADES, DA APREENSÃO E DESTINAÇÃO DOS ANIMAIS

SEÇÃO I

DAS RESPONSABILIDADES

Art. 18 Todo animal ao ser conduzido em vias e logradouros públicos, deve obrigatoriamente usar coleira e guia adequadas ao seu tamanho e porte e, ainda, ser conduzido por pessoas com idade e força suficiente para controlar os movimentos do animal.
Art. 19 Os dejetos fecais eliminados pelos animais em vias e logradouros públicos, deverão ser adequada e imediatamente recolhidos pelos condutores, sob as penas estabelecidas por esta lei.
Art. 20 É de responsabilidade dos proprietários a manutenção de cães, gatos e eqüídeo em condições adequadas de alojamento, alimentação, saúde, higiene e bem-estar, bem como a destinação adequada dos dejetos.
§ 1º Os animais devem ser alojados em locais onde fiquem impedidos de fugirem e agredirem terceiros ou outros animais.
§ 2º Os proprietários de animais deverão mantê-los afastados de portões, campainhas, medidores de luz e água e caixas de correspondência, a fim de que funcionários das respectivas empresas ou órgãos prestadores desses serviços, possam ter acesso sem sofrer ameaça ou agressão real por parte dos animais, protegendo, ainda, os transeuntes.
§ 3º Em qualquer imóvel onde permanecer animal bravio, deverá ser afixada placa de advertência, com tamanho compatível com leitura à distância, e em local visível ao público.
Art. 21 Não serão permitidos, em residência particular em área urbana, a criação, o alojamento e a manutenção de mais de 10 (dez) cães ou gatos, no total, com idade superior a 90 (noventa) dias.
§ 1º De acordo com a avaliação do agente sanitário do CCZ, que verificará a quantidade e porte dos animais, tratamento, espaço e condições higiênico-sanitárias onde estes ficam alojados, este número poderá ser reduzido, a partir de laudo técnico e intimação do agente.
§ 2º Quando o agente sanitário constatar, em residência particular, a existência de animais em número superior ao estabelecido pelo caput deste artigo deverá:
I - intimar o responsável pelos animais para, no prazo de 30 (trinta) dias, adequar sua criação às normas estabelecidas por esta lei e demais normas sanitárias;
II - findo este prazo e caso as providências não tenham sido tomadas, aplicar multa e estabelecer novo prazo de 30 (trinta) dias, para adequação;
III - findo o prazo fixado no inciso II, a multa será aplicada em dobro a cada reincidência.
§ 3º Excepcionalmente, serão permitidos em residência particular, o alojamento e a manutenção de cães ou gatos em número superior a 10 (dez), não ultrapassando o limite de 15 (quinze), no total, desde que o proprietário solicite ao CCZ uma licença especial.
§ 4º Para solicitar a licença de que trata o artigo anterior, os proprietários de animais deverão fornecer ao CCZ, os números de RGA de todos os animais, comprovantes de vacinação contra a raiva, e descrição das condições de alojamento e manutenção destes, ficando a critério do agente sanitário responsável pelo processo, a concessão ou não da licença.
§ 5º Animais relacionados em licença fornecida pelo CCZ e que ultrapassem o limite de 10 (dez) nunca poderão ser substituídos em caso de óbito, perda, doação ou qualquer outro evento.
§ 6º Os proprietários de animais cuja situação enquadre-se no § 3º terão prazo de 12 (doze) meses, a contar da data da publicação desta lei, para solicitar a respectiva licença.
§ 7º Findo o prazo fixado no § 6º, todos os proprietários de animais deverão se enquadrar no limite determinado pelo caput deste artigo.
Art. 22 Para os efeitos desta lei, a propriedade de cães, gatos e eqüídeos com finalidade comercial, caracteriza a existência de um criadouro, independentemente do total de animais.
Parágrafo Único - Identificada a prática prevista no caput deste artigo, o criador submeterá seu comércio a todas as exigências impostas pela legislação municipal, estadual e federal.
Art. 23 É proibida a permanência de animais soltos, bem como toda e qualquer prática de adestramento em vias e logradouros públicos ou em locais de livre acesso ao público.
§ 1º Se a prática de adestramento fizer parte de alguma exibição cultural ou educativa, o evento deverá contar com prévia autorização do CCZ, excluindo-se dessa obrigatoriedade a Guarda Municipal e a Polícia Militar do Estado de Minas Gerais.
§ 2º Ao solicitar a autorização de que trata o § 1º, o responsável pelo evento, pessoa física ou jurídica, deverá comprovar as condições de segurança para os freqüentadores do local, condições de segurança e bem-estar para os animais e apresentar documento com prévia anuência do órgão ou pessoa jurídica responsável pela área escolhida para a apresentação.
Art. 24 Em estabelecimentos comerciais de qualquer natureza, a proibição ou liberação da entrada de animais fica a critério dos proprietários ou gerentes dos locais, desde que atendidas as normas de higiene e de saúde, bem como a legislação específica quando for o caso.
§ 1º Os cães guias para deficientes visuais devem ter livre acesso a qualquer estabelecimento bem como aos meios de transporte público coletivo, nos termos da legislação específica.
§ 2º O deficiente visual guiado por cães deverá portar documento de identificação do animal, original ou cópia autenticada, fornecido por entidade especializada no adestramento de cães condutores, habilitando o animal e seu usuário.
Art. 25 É proibido soltar ou abandonar animais em vias e logradouros públicos e privados.
Parágrafo Único - Os proprietários só poderão encaminhar seus animais ao CCZ para doação, em casos de enfermidades ou agressões comprovadas.
Art. 26 Os eventos onde sejam comercializados cães e gatos deverão receber autorização do CCZ antes de iniciarem suas atividades.
SEÇÃO II

DA APREENSÃO E DESTINAÇÃO DE ANIMAIS

Art. 27 Para os efeitos desta lei, fica o CCZ autorizado a proceder à doação de animais apreendidos e não resgatados por adoção, à Associação Protetora dos Animais.
Art. 28 Será apreendido todo e qualquer cão, gato e eqüídeo encontrados soltos em vias e logradouros públicos.
§ 1º Se um animal apreendido estiver devidamente registrado e identificado, conforme o previsto na presente lei, o proprietário será chamado ou notificado para retirá-lo no prazo de cinco dias, contados do dia da apreensão.
§ 2º Animais não identificados deverão ser mantidos no CCZ pelo prazo de três dias, incluindo-se o dia da apreensão.
§ 3º Todos os animais apreendidos deverão ser mantidos em recintos higienizados, com proteção contra intempéries naturais, alimentação adequada e separados por sexo e espécie.
§ 4º A destinação dos animais não resgatados deverá obedecer às seguintes prioridades:
I - adoção por particulares ou doação para entidades protetoras de animais devidamente cadastradas;
II - doação para entidades de ensino e pesquisa, desde que seja obedecida rigorosamente às legislações municipais, estaduais e federais vigentes;
III - eutanásia humanitária.
§ 5º No caso de animais portadores de doenças ou ferimentos considerados graves, ou ainda clinicamente comprometidos, caberá ao médico veterinário do CCZ, após avaliação e emissão de parecer técnico, decidir o seu destino, não sendo aplicado, nessa hipótese, o prazo estipulado no § 2º deste artigo.
Art. 29 Quando um animal não identificado for reclamado por um suposto proprietário, o CCZ exigirá a apresentação do RGA visando à comprovação da posse.
Parágrafo Único - Caso o cão, gato ou eqüídeo apreendido nunca tenha sido registrado, o proprietário deverá proceder ao registro do animal no próprio CCZ no ato do resgate.
Art. 30 Para o resgate de qualquer animal do CCZ é necessária também a apresentação de carteira ou comprovante de vacinação.
Parágrafo Único - Não existindo carteira ou comprovante de vacinação atualizado, o animal só será liberado após vacinação.
Art. 31 Para o resgate de qualquer animal, bem como para adoção, serão cobradas do proprietário as tarifas respectivas, estipuladas pela Prefeitura Municipal de Poços de Caldas, nos termos do regulamento desta lei.
Parágrafo Único - Em caso de reincidência, juntamente com a tarifa de retirada, será aplicada multa.
Art. 32 São considerados maus tratos contra cães, gatos e eqüídeos:
I - submetê-los a qualquer prática que cause ferimentos, golpes ou morte;
II - mantê-los sem abrigo, em lugares impróprios ou que lhes impeçam movimentação e/ou descanso, ou ainda onde fiquem privados de ar ou luz solar, bem como alimentação adequada e água;
III - obrigá-los a trabalhos excessivos ou superiores às suas forças, ou castigá-los, ainda que para aprendizagem e/ou adestramento;
IV - transportá-los em veículos ou gaiolas inadequados ao seu bem-estar;
V - utilizá-los em rituais religiosos, e em lutas entre animais da mesma espécie ou de espécies diferentes;
VI - abatê-los para consumo;
VII - sacrificá-los com métodos não humanitários;
VIII - soltá-los ou abandoná-los em vias ou logradouros públicos.
Art. 33 Quando um agente sanitário do CCZ verificar a prática de maus-tratos contra cães, gatos e eqüídeos deverá:
I - orientar e intimar o proprietário ou preposto para sanar as irregularidades nos seguintes prazos, a critério do agente:
a) imediatamente;
b) em 7 (sete) dias;
c) em 15 (quinze) dias;
d) em 30 (trinta) dias.
II - no retorno da visita, caso as irregularidades não tenham sido sanadas, aplicar multa em conformidade com o disposto no artigo 17 do Decreto Federal nº 3.179, de 21 de setembro de 1999 (regulamentação da Lei Federal nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 - Lei de Crimes Ambientais), e comunicar ao órgão municipal integrante do SISNAMA (Sistema Nacional de Meio Ambiente) a configuração do ato de maus-tratos, visando à aplicação da Lei Federal nº 9.605/98.
Parágrafo Único - Em caso de reincidência, o proprietário ficará sujeito a:
I - multa em dobro;
II - perda da posse do animal.
Art. 34 Todo proprietário ou responsável pela guarda de um animal é obrigado a permitir o acesso do agente sanitário, quando no exercício de suas funções, às dependências do alojamento do animal, sempre que necessário, bem como acatar as determinações emanadas do CCZ.
CAPÍTULO IV

DAS NORMAS PARA REPRODUÇÃO E PROPRIEDADE RESPONSÁVEL DE ANIMAIS

SEÇÃO I

DO CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS

Art. 35 Caberá ao CCZ a execução de Programa Permanente de Controle Reprodutivo de Cães e Gatos em parceria com universidades, estabelecimentos veterinários, organizações não-governamentais de proteção animal e com a iniciativa privada.
Parágrafo Único - A "Campanha de Controle Populacional dos Cães e Gatos do Município", instituída pela Lei nº 6929, de 21 de maio de 1999, será coordenada pelo CCZ, nos termos de seu regulamento.
SEÇÃO II

DA EDUCAÇÃO PARA A PROPRIEDADE RESPONSÁVEL

Art. 36 O CCZ deverá promover programa de educação continuada de conscientização da população a respeito da propriedade responsável de animais domésticos, podendo para tanto, contar com parcerias e entidades de proteção animal e outras organizações não-governamentais e governamentais, universidades, empresas públicas ou privadas (nacionais ou internacionais) e entidades de classe ligadas aos médicos veterinários.
Parágrafo Único - O programa a que se refere o caput deste artigo deverá atingir o maior número de meios de comunicação, além de contar com material educativo impresso.
Art. 37 O CCZ deverá prover de material educativo também as escolas públicas e privadas e sobretudo, os postos de vacinação e os estabelecimentos veterinários conveniados para registro de animais.
Art. 38 O material do programa de educação continuada deverá conter, entre outras informações consideradas pertinentes pelo CCZ:
I - a importância da vacinação e da vermifugação de cães e gatos;
II - zoonoses;
III - cuidados e manejo dos animais;
IV - problemas gerados pelo excesso populacional de animais domésticos e importância do controle da natalidade;
V - castração;
VI - legislação;
VII - ilegalidade ou inadequação da manutenção de animais silvestres como animais de estimação.
Art. 39 O CCZ deverá incentivar os estabelecimentos veterinários, conveniados para registro de animais ou não, as entidades de classe ligadas aos médicos veterinários e as entidades protetoras de animais, a atuarem como pólos irradiadores de informações sobre a propriedade responsável de animais domésticos.
CAPÍTULO V

DAS SANÇÕES E DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

SEÇÃO I

DAS SANÇÕES

Art. 40 Verificada a infração a qualquer dispositivo desta lei, os Agentes Sanitários, independente de outras sanções cabíveis decorrentes da legislação federal e estadual, poderão aplicar as seguintes penalidades:
I - multa;
II - apreensão do animal;
III - interdição total ou parcial, temporária ou permanente, de locais ou estabelecimentos.
Art. 41 A pena de multa será variável de acordo com a gravidade da infração, que serão estipuladas no regulamento desta lei, a ser baixado por Decreto Executivo.
§ 1º Para efeito do disposto neste artigo, o Poder Executivo caracterizará as infrações, de acordo com a gravidade.
§ 2º Na reincidência, a multa será aplicada em dobro.
§ 3º A pena de multa não excluirá, conforme a natureza e a gravidade da infração, a aplicação de qualquer outra das penalidades previstas no artigo 35.
§ 4º Independente do disposto no § 3º, a reiteração de infrações de mesma natureza autorizará, conforme o caso, a definitiva apreensão de animais, a interdição de locais ou estabelecimentos.
Art. 42 Os Agentes Sanitários são competentes para aplicação das penalidades de que trata o artigo 41.
Parágrafo Único - O desrespeito ou desacato ao Agente Sanitário, ou ainda, a obstaculização ao exercício de suas funções, sujeitarão o infrator à penalidade de multa, sem prejuízo das demais sanções cabíveis.
SEÇÃO II

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 43 O CCZ deverá dar a devida publicidade a esta lei e incentivar os estabelecimentos veterinários credenciados para registro de animais e entidade de proteção aos animais domésticos a fazerem o mesmo.
Art. 44 As despesas decorrentes da aplicação desta lei, correrão por conta de dotações orçamentárias próprias consignadas à conta do Fundo Municipal de Saúde e Programação Pactuada Integrada/Epidemiologia e Controle de Doenças - PPI- ECD.
Art. 45 O Poder Executivo regulamentará a presente lei no prazo de até 60 (sessenta) dias, contados da sua publicação.
Art. 46 Revogadas as disposições em contrário, especialmente a Leis Municipais ns. 7.542/01, 7.705/02 e 7.985/04, esta lei entra em vigor na data de sua publicação.
Poços de Caldas, 27 de outubro de 2005.
SEBASTIÃO NAVARRO VIEIRA FILHO
Prefeito municipal

Nota do Blog: Muita coisa precisa ser mudada e outras cumpridas porque na verdade só existem no papel.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Trânsito: nem todos podem conjulgar o verbo "respeitar"

É uma vergonha mas o respeito à legislação do trãnsito em Poços de Caldas não existe.         
Diga-se de passagem que nem mesmo quem deveria dar exemplo, consegue cumprir elementares regras de segurança no trânsito.
Diariamente vemos absurdos no trânsito de Poços de Caldas e com isso o crescente número de acidentes.
Hoje recebemos algumas fotos da falta de consciência de alguns motoristas. As fotos em questão foram tiradas na Rua Maranhão n°222 defronte ao Edifício Comercial Acropolis. O número de reclamações é enorme, isso porque defronte a esse edifício tem uma Placa de trânsito : Embarque e desembarque de pacientes. Mas, o que acontece é que pessoas que trabalham naquele edifício estacionam tranquilamente seu carro ali e vão trabalhar sem se preocupar com quem tem direito a estacionar ali e desembarcar pacientes.
Enquanto essa pessoa que tirou as fotos encontrava-se no local aguardando um parente sair de uma fisioterapia, uma moça que provavelmente trabalha no edifício, estacionou seu carro tranquilamente, entrou e disse a recepcionista: _Se chegar alguém você me chama.
Deveria é chegar a polícia e dar uma canetada, pra aprender de deixar de ser abusada.






terça-feira, 17 de julho de 2012

Edital Eleição: CONPEDE CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA



CONPEDE CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA – CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 8.260 DE 16 DE AGOSTO DE 2006
RESOLUÇÃO 001/2012
Edital de Eleição
O Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência – CONPEDE, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Municipal nº 8.260, de 16 de agosto de 2006 e o Regimento Interno, torna público que, no período de 17 a 24  de Julho de 2012, estarão abertas as inscrições para o processo de escolha dos membros representantes das entidades e organizações prestadoras de serviço às pessoas com deficiência e seus suplentes, biênio 2012 / 2014, a ser realizado no dia 03 Agosto de 2012, de 08:00 às 11:00 horas, na sede do Conselho, á Rua Pernambuco, s/nº – salão 16 Mercado Municipal – Casa dos Conselhos.
DA COMPOSIÇÃO DO CONPEDE
1- O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência – CONPEDE – é um órgão paritário e composto por 12 (doze) membros, sendo:
I-06 (seis) membros representantes do Poder Público Municipal, sendo um de cada uma das seguintes Secretarias: Saúde, Fazenda, Educação, Promoção Social, Planejamento Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, Procuradoria Geral, ou seus órgãos equivalentes;
II-06 (seis) membros representantes da sociedade civil, destes, quatro deverão ser pessoas com deficiência: um com deficiência física, um com deficiência auditiva, um com deficiência visual, um representante de pessoa com deficiência mental e dois representantes de entidades prestadoras de serviço às pessoas com deficiência.
2- Cada titular do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência terá um suplente oriundo da mesma categoria representativa.
3- A função de membro do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência é considerada de interesse público relevante e não será remunerada.
4- Nos termos do Regimento Interno, os membros Titulares e respectivos Suplentes do CONPEDE exercerão mandato de 02 (dois) anos admitindo-se a recondução apenas uma vez, por igual período.
5- Os membros e suplentes do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, representantes do poder público municipal, serão de livre escolha do Prefeito Municipal.
6- Os membros e suplentes do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, representantes das entidades e organizações prestadoras de serviço, bem como os representantes das pessoas com deficiência, serão eleitos em assembleia, de acordo com o presente Edital e Regimento Interno, e empossados pelo Prefeito.
DA ESCOLHA DOS MEMBROS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL
7- Os 04 (quatro) membros representantes da sociedade civil deverão ser pessoas com deficiência e serão eleitos entre os inscritos, sendo:
I- um com deficiência física,
II- um com deficiência auditiva,
III- um com deficiência visual,
IV- um representante de pessoa com deficiência mental.
8- São requisitos básicos para a inscrição de candidatos e delegados representantes da sociedade civil:
I-  Ser eleitor
II- residir há mais de dois anos no Município de forma comprovada;
III- Comprovar que possui deficiência física, auditiva ou visual; ou que tem relação  com pessoa que possua deficiência física, auditiva, visual ou mental (pai/mãe, irmão,cônjuge e tutor com apresentação de documento hábil). A comprovação da deficiência devera ser feita através de atestado médico  ou outro documento comprobatório.
IV- Apresentar copia de RG, CPF, comprovante de residência, certidão de  antecedentes criminais.
DA ESCOLHA DOS MEMBROS REPRESENTANTES DAS ENTIDADES E ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
9- Os 02 (dois) membros representantes das Entidades e Organizações prestadoras de serviço às Pessoas com Deficiência serão eleitos entre os nomes indicados pelas Entidades.
10- São requisitos básicos para que as Entidades e Organizações prestadoras de serviço às pessoas com deficiência possam indicar e credenciar os candidatos e delegados.
I- Estar legalmente constituída.
II- Ter sede no município de Poços de Caldas.
III- Ter um ano do efetivo exercício e existência legal.
IV- Estar cadastrada e em regular situação no CONPEDE.
V- Apresentar relatório comprovando sua atuação na área de assistência a pessoas com deficiências, referente ao ano de 2010/2011.
VI- Apresentar o oficio e a ata da eleição dos candidatos e dos delegados.
VII- Apresentar cópia do RG e do CPF do candidato e do delegado.
11- Cada Entidade ou organização prestadora de serviço às pessoas com deficiências poderá indicar:
I- um candidato,
II- um delegado titular para exercer o voto, e
III- um delegado suplente.
12- As inscrições de candidatos e de delegados deverão ser feitas no período de 17 a 24 de Julho de 2012 das 12:00 as 17:00 horas, na sede do CONPEDE, á Rua Pernambuco, s/nº – salão 16 Mercado Municipal – Casa dos Conselhos.
13- No dia 26 de Julho de 2012, o CONPEDE publicará a relação de representantes da sociedade civil e das entidades inscritas, contendo o nome dos candidatos e dos delegados.
14- A partir desta divulgação, qualquer pessoa da comunidade terá até dia 27 de julho de 2012, até às 16:00 horas, para impugnar candidaturas, por escrito oferecendo prova do alegado. O deferimento ou não da impugnação estará a cargo do CONPEDE.
15- O candidato impugnado terá até o dia 31 de Julho de 2012, às 16:00 horas, para entrar com  defesa a impugnação  ao CONPEDE, que também deliberará sobre este, no prazo máximo de 24 horas .
16- No dia 01 de Agosto de 2012, a listagem dos candidatos e delegados homologados pelo CONPEDE estará à disposição dos interessados, na sede deste Conselho.
17- Havendo indeferimento da impugnação, o representante e a entidade serão excluídos da relação de votação.
DA VOTAÇÃO
18- O Delegado, inscrito para exercer o voto, deverá se apresentar no dia ,3 de Agosto de 2012, de 08:00 às 12:00 horas, na sede do Conselho, á Rua Pernambuco, s/nº – salão 16 Mercado Municipal – Casa dos Conselhos, portando Título eleitoral.
19- O voto é secreto, em cédula própria, contendo:
I- No caso de representantes da Sociedade Civil, os tipos de deficiências com os respectivos nomes dos candidatos (conforme Anexo I);
II- No caso de representantes das Entidades e Organizações prestadoras de serviço às pessoas com deficiência, os nomes das Entidades e dos candidatos representantes (conforme Anexo II).
20- Cada delegado representante da sociedade civil deverá votar em um nome para cada deficiência
21- Cada delegado representante das Entidades e Organizações prestadoras de serviço às pessoas com deficiência deverá votar em dois nomes dentre os candidatos representantes destas.
22- Imediatamente após a votação, se dará a apuração dos votos, coordenada pelo CONPEDE.
23- Serão considerados membros efetivos do CONPEDE os mais votados de cada tipo de deficiência, e os dois representantes das entidades mais votados, sendo os subsequentes, considerados suplentes.
DA POSSE
24- A posse dos eleitos e a transmissão dos cargos dar-se-á em Assembleia Geral, especialmente convocada para este fim, presidida pelo Chefe do Executivo, no prazo máximo de vinte dias após a eleição.
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
25- As questões omissas na presente Resolução Eleitoral serão resolvidas pela Comissão Eleitoral do CONPEDE, especialmente formada para este fim.
Poços de Caldas, 13 de Julho de 2012.
KLEYTON D’ANGELO
Presidente do CONPEDE
Fonte: site PMPC

domingo, 15 de julho de 2012

Inaugurado Espaço de Lazer Paulo Roberto Ramos na Zona Sul

Os moradores dos Bairros Jardim São Bento e Bairro Santa Teresa podem contar com o Espaço de Lazer Paulo Rodrigues Ramos, composto de Campo de futebol, parquinho para crianças, sanitários, água e uma academia ao ar livre.
 Isso devido a parceria entre Prefeitura Municipal de Poços de Caldas e a  FORMAT.
Essa é uma reivindicação antiga e só foi possível a concretização devido a doação e empenho da loteadora FORMAT.









(Fotos: Equipe de Prontidão)

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Logradouro público é utilizado para fins particulares

O Estádio Municipal João Batista Gonçalves, conhecido como Prontidão que se localiza na zona sul de Poços de Caldas  está sendo utilizado como depósito de Escola de Samba e faz tempo viu. Isso tem incomodado tanto jogadores como torcedores.
 O local todos já sabem que precisa de reformas, recentemente retiraram a arquibancada que mais era uma porção de ferros retorcidos e tábua podre e se não bastasse tem carros alegóricos utilizando parte do espaço, o que não deixa de ser perigoso também. Desabafa Diego de Souza que comparece sempre ao local em dias de jogo.

Estação barraco-Deselegância Ferroviária

Por Rubens Caruso
Deselegância Ferroviária



A foto acima, feita em 5 de julho passado, mostra que a luta pela preservação do patrimônio ferroviário de Poços de Caldas parece não ter fim, mesmo.
A Prefeitura, entidade que ocupa a Estação -bem da União e, portanto, de todos os brasileiros- protagonizou a construção desse impensável, ridículo, sem sentido e inconveniente barraco em pleno leito da Ferrovia que, como não é novidade para os Leitores do Memória de Poços de Caldas, está inserido no chamado "perímetro de tombamento", área de proteção especial atestada inclusive pela presença dos trilhos nas proximidades, nos fundos da Estação.
É bom lembrar que, além da deselegância em relação ao patrimônio, a Estação é objeto de uma ação judicial que tramita na justiça Federal em Pouso Alegre, ajuizada pelo Procurador da República Dr. José Lucas Perroni Kalil, que entre outros pede a remoção daquela cobertura precária igualmente construída sob o beneplácito do Condephact, o conselho municipal de defesa (grifo meu) do patrimônio histórico.
É hora o presidente desse conselho mostrar a elegância que lhe é peculiar e resolver a situação lamentável desta e outras intervenções absurdas na Estação. Urgente.
Fonte:http://www.memoriadepocos.com.br/2012/07/deselegancia-ferroviaria.html

sábado, 7 de julho de 2012

Análise do Jornal Prestando Contas- parte 3

O certo seria: Recomposição asfáltica de parte da Av. Champagnat, pois afinal somente 1km da via recebeu essa melhoria.

Confira:
Reprodução: site PMPC

Análise do Jornal prestando Contas-parte 2

  Reprodução site da Câmara Municipal

Verdade! A reforma realmente aconteceu, mas o local continua fechado e faz muito tempo. A comunidade continua esperando a reabertura do velório.

Análise do Jornal prestando contas- parte 1

Ontem foi distribuído em Poços de Caldas um Jornalzinho intitulado Jornal Prestando Contas pela PMPC.
Lógico que não vamos acreditar em tudo que lá está impresso, o mínimo que devemos fazer é uma análise. Assim sendo, terá que ser por partes.
foto: reprodução blog Jardim Kennedy I

Em um determinado momento foi colocado :

De acordo com a foto da fachada do parquinho do Jardim Kennedy I, vemos que aconteceu uma parceria entre PMPC, SAB Jardim Kennedy e Instituto ALCOA.
É bom registrar, né? Nunca se sabe qual a intenção de omitir dados.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Posto de combustíveis é multado em Poços de Caldas. Motivo? Irregularidades no etanol



Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor multa posto de combustíveis por impureza em etanol

Fiscalização do Procon-MG constatou irregularidades no etanol de um posto de combustíveis de Poços de Caldas
O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, multou em Poços de Caldas, cidade do Sul de Minas, um posto de combustíveis em quase R$ 30 mil depois de constatar que havia impurezas no etanol fornecido pelo estabelecimento.
A análise do produto foi realizada pelo Laboratório de Ensaio de Combustíveis (LEC) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). No etanol coletado pelos fiscais do Procon Estadual em outubro de 2010, os técnicos do LEC encontraram impurezas que tornavam o produto impróprio para o consumo.
A análise foi feita usando como base as especificações de qualidade adotadas pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). Entretanto, o posto de combustível Nossa Senhora Aparecida Ltda. pediu contraprova em relação ao resultado obtido pelo LEC. Então outra análise foi feita, mas o resultado comprovou o problema no combustível.
Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi proposto pelo MPMG, mas a assinatura do acordo não foi aceita pelo estabelecimento. Diante dos fatos apurados, o promotor de Justiça Sidnei Boccia Pinto de Oliveira Sá aplicou multa ao posto de combustível. Segundo ele, o fornecedor lesou os direitos dos consumidores e, portanto, deve sofrer as sanções administrativas cabíveis.
Fonte: AssCom MPMG

terça-feira, 3 de julho de 2012

Alunos da E.M. Vitalina Rossi pedem permanência de professor de matemática

Alunos da E. M. Vitalina Rossi no Jardim Esperança entraram em contato conosco solicitando apoio para que fosse divulgado a manifestação deles em prol da permanência do professor de matemática Edmilson Carlos Pereira.
Pelo que consta o professor é contratado pela prefeitura e leciona na citada escola desde o ano passado.
Não sabemos o motivo pela qual não foi renovado seu contrato e se é que não foi renovado. Existe toda uma burocracia e existem leis que precisam ser cumpridas. Mas Gostaríamos de solicitar a Secretaria de Educação que estudasse esse caso com muito carinho e qual a viabilidade do professor permanecer nesta unidade escolar.
Com a atitude destes alunos não há dúvida que durante a permanência deste professor neste unidade de ensino, trouxe um aprofundamento dos laços afetivos e sociais e isso só tem a trazer benefícios na área profissional pois favorece a auto estima do professor e em contra partida favorecimento no ensino-aprendizagem. Se por um lado o mesmo não é valorizado no que diz respeito aos vencimentos por outro é compensado pelo carinho e atenção dos alunos. O que demonstra o amor pela profissão.
Chega a ser emocionante, já que matemática é um conteúdo tão complexo o que leva muitas vezes o aluno se indispor com o professor devido a dificuldade com o conteúdo. Neste caso é diferente.
Uma aluna que não quer se identificar disse: "O Professor Edmilson é mais que um professor, é amigo, companheiro e realmente integrante da nossa comunidade, ele enxerga a nossa realidade e se propõe a nos ajudar. Não sabemos o que vamos fazer sem ele aqui."

segunda-feira, 2 de julho de 2012

III Exposição de Orquídeas “C. Walkeriana”,

Poços de Caldas recebeu neste final de semana a III Exposição de Orquídeas “C. Walkeriana”, ocasião na qual atraiu diversos colecionadores e turistas de todo o país.
Tamanha beleza e diversidade das flores da espécie Cattleya Walkeriana fez com que os visitantes e turistas ficassem deslumbrados.
O evento contou com expositores de várias cidades, entre elas: Limeira, Rio Claro, Belo Horizonte, Orlândia, Uberaba.
Além de flores que estavam com preços acessíveis para venda, o jurado avaliou e escolheu 19 orquídeas expostas como as mais belas para receberem o prêmio do evento.
Em Agosto, acontece a Exposição Nacional de Orquídeas na cidade.
 (Fonte: Release email marketing@institutodonato.com.br)